fbpx

Como a guerra na Ucrânia afeta a indústria têxtil no Brasil?

logo-belluno-digital
Belluno

Em 2022, após muitas economias ao redor do mundo ainda sofrerem com os impactos de uma pandemia, a economia mundial sofre novamente agora pela guerra entre Rússia e Ucrânia. O conflito já parece a guerra mais séria na Europa desde 1945. Forças russas já realizaram ataques aéreos, capturaram bases militares e continuam avançando em direção a Kiev, enquanto o número de refugiados ucranianos chega a 2 milhões, segundo a ONU.

Todos esses acontecimentos, foram suficientes para gerar temores na economia mundial: o petróleo já teve grande alta no preço, o câmbio sofre com a instabilidade e pela primeira vez, desde 2014, o gás natural europeu teve um aumento no preço de 62%.

Com todos esses aumentos que estão acontecendo e as incertezas que permeiam o mercado, outros segmentos começam a ser impactados, entre eles é claro, o setor têxtil. No início do mês, o Ministério da Indústria e Comércio da Rússia, recomendou aos exportadores do país que suspendam temporariamente a exportação de fertilizantes, e isso afeta diretamente o Brasil.

Como a suspensão da exportação de fertilizantes afeta o Brasil?

A Rússia é um dos principais fabricantes mundiais de fertilizantes. Atualmente, cerca 25% das importações brasileiras são provenientes desse país. A dependência do Brasil na importação de fertilizantes chega hoje a 85%. Esse percentual é ainda maior, se levando em consideração produtos à base de potássio, atingindo dessa forma 96%, segundo dados da CNN.

E onde a indústria têxtil se encaixa nisso?  Atualmente, o algodão está entre as quatro culturas mais dependentes de fertilizantes, e com a possibilidade de ocorrer esse desabastecimento da cadeia, o setor tende a enfrentar desafios.

Instabilidade para o segmento

Toda essa incerteza, gera movimentações no mercado que afetam diretamente o setor. Além disso, o Copom aumentou a taxa Selic em um ponto percentual elevando o índice de 10,75% para 11,75% ao ano, já sinalizando que novos aumentos podem vir a acontecer. É o nono aumento consecutivo nos juros, e agora a taxa atinge seu maior patamar desde abril de 2017. Em comunicado, o Copom justificou que para elevar a Selic, se baseou em um cenário alternativo, uma vez que os preços estão em uma montanha-russa em consequência da guerra. Já no Banco Central Americano, seu presidente Jerome Powell, deixou praticamente certo um aumento na casa 0,25% pontos percentuais em cada uma das próximas seis reuniões agendadas até dezembro.

Expectativas para 2022

A ABIT (Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção), entidade que representa a indústria têxtil nacional, apresentou em janeiro as previsões para o ano, apontando uma forte desaceleração de produção e vendas e que deve continuar operando abaixo dos níveis anteriores a pandemia.

Rui Altenburg, CEO da Altenburg, explicou que no setor, o investimento em expansão é uma constante já há alguns anos, afinal, o mercado tem crescido continuamente. “Adaptar-se ao e-commerce, pensar em matérias-primas mais sustentáveis, mirar as exportações, tudo isso tem contribuído para o crescimento das empresas focadas no mercado de roupas de cama e banho”, esclarece.

O que esperar daqui para frente?

Como ficou claro com a pandemia, pequenas interrupções em uma região podem gerar grandes impactos em lugares distantes. Escassez isoladas e aumentos de preços, com o passar do tempo, podem se tornar uma bola de neve em um mundo que ainda luta para se recuperar de uma pandemia. E tudo isso, já pode ser sentido pelo bolso do consumidor.

Seja o primeiro a comentar.

Deixe um comentário

Arrow-up